Venha nos visitar! Entre em contato conosco

Rua 15 de Novembro,247 / Araçatuba-SP / CEP- 16010-030 / Telefone: 18-3625-3392 / email- marechalrondon1964@gmail.com

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Revolução Constitucionalista
 Revolução de 1932 SP


Antecedentes

Após a Revolução de 1930, golpe de Estado que levou Getúlio Vargas ao poder, aumentou muito a insatisfação no estado de São Paulo. Vargas concentrou poder e nomeou interventores nos estados.



Causas (oposição ao governo)

No estado de São Paulo era grande a insatisfação com o governo provisório de Vargas. Os paulistas esperavam a convocação de eleições, mas dois anos se passaram e o governo provisório se mantinha. Os fazendeiros paulistas, que tinham perdido o poder após a revolução de 1930, eram os mais insatisfeitos e encabeçaram uma forte oposição ao governo Vargas. Houve também grande participação de estudantes universitários, comerciários e profissionais liberais.


Reivindicações

Os paulistas exigiam do governo provisório a elaboração de uma nova Constituição e a convocação de eleições para presidentes. Exigiam também, de imediato, a saída do interventor pernambucano João Alberto e a nomeação de um interventor paulista.
Os paulistas também criticavam muito a forma autoritária com que Vargas vinha conduzindo a política do país. Queriam mais democracia e maior participação na vida política do Brasil.



As manifestações

Com Vargas não atendeu as reivindicações dos paulistas, em maio de 1932 começaram uma série de manifestações de rua contrárias ao governo Vargas. Numa destas manifestações, houve forte reação policial, ocasionando a morte de quatro estudantes (Martins, Miragaia, Dráusio e Camargo). As iniciais dos nomes destes estudantes (MMDC) transformou-se no símbolo da revolução.







 A Revolução Constitucionalista

Em 9 de julho de 1932 teve início a Revolução Constitucionalista, que foi uma verdadeira guerra civil. Os paulistas fizeram uma grande campanha, usando jornais e rádios, conseguindo mobilizar grande parte da população. Os combates ocorreram, principalmente, no estado de São Paulo, região sul do Mato Grosso e região sul de Minas Gerais.
Contando apenas com o apoio do sul do Mato Grosso, São Paulo enfrentou o poder militar do das forças armadas federais. O resultado foi a rendição e derrota paulista em 28 de setembro de 1932. Cerca de três mil brasileiros morreram em combate e mais de cinco mil ficaram feridos durante a revolução.





Conclusão
Embora derrotados, os paulistas conseguiram alcançar alguns objetivos. Entre eles, a Constituição que acabou sendo promulgada em julho de 1934, trazendo alguns avanços democráticos e sociais para o país.










terça-feira, 1 de julho de 2014

Concurso de MISS ARAÇATUBA, 17/11/1998
Araçatuba Clube







sexta-feira, 27 de junho de 2014

Avenida POMPEU DE TOLEDO.


Araçatuba foi fundada no dia 8 de dezembro de 1908, e a emancipação política se deu no dia 2 de dezembro de 1921. O primeiro prefeito do município foi Joaquim Pompeu de Toledo, no período de 1º de janeiro de 1922 a 20 de janeiro de 1923. Joaquim Pompeu de Toledo dá nome hoje a uma das mais importantes avenidas da cidade.







Inicio da Avenida







 NOVA AVENIDA POMPEU DE TOLEDO, recuperada com investimentos de 
aproximadamente 4 MILHÕES DE REAIS, pela PREFEITURA DE ARAÇATUBA, com 
parte dos recursos oriundos do GOVERNO FEDERAL.








quarta-feira, 18 de junho de 2014

"A PRAÇA DO BOI" - RUI BARBOSA.



Araçatuba nunca deixará de ser a Capital do Boi Gordo
Os primeiros raios de sol nem bem refletiam as ruas de terra batida e alguns senhores já estacionavam suas novíssimas picapes Ford anos 50, ao redor da praça Rui Barbosa, região central de Araçatuba (SP). Alguns iam a cavalo. Nas vielas que circundam o coreto da pracinha, o cheiro do cigarro de palha dominava o ambiente e indicava que grandes negociações seriam feitas. Tião Maia, Torres Homem, Dico, Donald, Alfredo e muitos outros eram figuras carimbadas naquelas reuniões informais e estavam ali para negociar bois e fixar o valor da arroba no mercado, tudo anotado a lápis em cadernetas ou acertado só no boca a boca, na maior confiança. Por isso, apelidaram o local de "Praça do Boi". A cada semana, mais senhores igualmente trajados com paletó e chapéu chegavam ao local para comprar ou vender boi. A fartura era tanta que os amigos resolveram juntar todo o gado dos seus pastos e criaram o Concurso do Boi Gordo. Trataram de espalhar a notícia para os parentes, principalmente os de Uberaba, que se gabavam de ter o melhor rebanho. Assim, e com o maior número de animais do Brasil, Araçatuba tornou- se a "Capital do Boi Gordo". Tanta pompa, porém, ficou perdida no tempo. Araçatuba hoje é mais canavieira do que pecuária. Praça e boi foram apartados pelo furacão chamado etanol, mas, se depender de alguns pecuaristas, isso ainda será revertido.
Com o mito criado e personagens que continuam perpetuando a história da pecuária, Araçatuba vem sofrendo profundas mudanças nos últimos 20 anos, a começar pela perda de quase 2 milhões de hectares de pastos, que pertencem ao município de Santo Antônio do Aracanguá, emancipado em 1991. "Para se ter uma ideia, Santo Antônio do Aracanguá tem a 14ª maior área do Estado de São Paulo", conta Alfredo Ferreira Neves Filho, o Alfredinho, pecuarista araçatubense.




Mito: Torres Homem Rodrigues da Cunha aprendeu com o pai, Vicente, a negociar gado na Praça do Boi de Araçatuba
"Em décadas passadas, toda esta área era de Araçatuba e guardava o rebanho mais valioso do País." Alfredinho é um articulador do meio rural e aprendeu, a duras penas, conter a emoção ao trazer à tona suas memórias. Otimista, sempre tenta encarar as mudanças econômicas da cidade com bons olhos e tentando ver o lado positivo do negócio. "A cana chegou e mudou o perfil de Araçatuba e de toda a região, mas, por outro lado, esta nova cultura econômica trouxe mais dinheiro para a cidade. Muitos pecuaristas arrendaram suas terras, mas ninguém deixou de ser pecuarista por causa disso", justifica. "O que aconteceu é que levamos o gado para outros Estados e arrendamos nossos pastos daqui para fazer dinheiro." Com a rentabilidade da cana, Alfredinho aumentou 30% do seu rebanho em sua fazenda localizada em Mato Grosso do Sul. "Mas uma coisa é certa: Araçatuba nunca deixará de ter sua importância como a Capital do Boi Gordo.



Nova geração: José Carlos Prata Cunha dará continuidade ao legado deixado pelo pai, Torres, e o avô
Esta importância ganha notoriedade principalmente no mês de julho, com a realização da Exposição Agropecuária de Araçatuba, a Expô. Donald Wilfred Strang, o criador do evento, dá nome a uma das principais ruas do recinto. O nelore ainda predomina. "Estamos conseguindo resgatar muito da cultura pecuária nos últimos anos. Araçatuba é uma das mais importantes cidades do setor e vai continuar sendo", diz José Carlos Prata Cunha, filho de Torres Homem, falecido no ano passado. 

(http://revistadinheirorural.terra.com.br/secao/agroeconomia/o-resgate-da-terra-do-boi)

terça-feira, 10 de junho de 2014

 O Transporte Público em Araçatuba (As Jardineiras)

Jardineira é nome usado popularmente pelos brasileiros para se referir a um autocarro (ônibus) com capô dianteiro similar a de um camião. Pode ser também um autocarro pequeno e muito antigo.
No Brasil foi um veículo coletivo muito utilizado em zonas rurais para trajetos de média a longa distância, pois era resistente as típicas estradas de terra. Hoje em dia é um veículo quase extinto no Brasil para transporte de passageiros.


Este é o bilhete de solicitação para o transporte publico em Araçatuba em 12 de Julho de 1.958


 Carro de transporte publico-"Jardineira" da Expresso Noroeste em Araçatuba


Nesta foto esta o carro do transporte público regional de Araçatuba.
Trajetos: Araçatuba, Taveira, Santana e Pereira Barreto.


Transporte Municipal e Regional.

 Transporte municipal de Araçatuba, utilizado na sua maioria por estudantes da rede de ensino.


Frota do Transporte Regional: Araçatuba/Valparaiso.




quarta-feira, 4 de junho de 2014

Araçatuba e sua Fundação (Parte II)


As terras de toda a extensão Oeste do Estado de São Paulo, á margem esquerda do rio Tietê eram chamadas de terras devolutas, vale dizer que eram desocupadas (tecnicamente, o termo significa "adquirido por devolução", mas por aqui eram terras ocupadas pelos índios e que o governo do Brasil considerava de sua propriedade). Essas terras todas ficavam de propriedade de quem as conseguia legalmente - por doação - do governo e geralmente por poder político; por jogos jurídicos ou transferências de títulos de propriedade; pela posse por residir na terra por tempo determinado - usucapião; ou pela força: assassinato dos habitantes e entraves jurídicos através do usucapião. Tinha grande importância para a propriedade das terras a figura do grileiro, isto é, a pessoa que procura (ainda hoje) apropriar-se de terra alheia através de jogos jurídicos: falsas escrituras de propriedade, compra de títulos cartorários, produção de leis particularizantes em detrimento da coletividade ou de legítimos donos, falsificação de documentos etc.

Inicialmente, tudo girava em tomo da incipiente estação da NOB. Um dos primeiros habitantes do lugar foi Antenor Barros, o citado depoente histórico: Em princípios de 1.908, vim com meu irmão João Vasconcelos Barros e uma turma de operários trabalhar na construção da linha Noroeste do Brasil, como administrador da firma empreiteira Rodrigues & Cláudio. Comecei meus serviços na Estação de Anhangai, no lugar denominado "Canal do Inferno", no rio Tietê. Além do primeiro hotel, já citado como de propriedade (arrendamento) de Francisco e Francisca Pecoraro, temos testemunhas do Dr. Roberto Franco Atense, neto de Vicente Franco Ribeiro, sobre o primeiro armazém: Quando já instalada a estação, Vicente Franco abriu um armazém, o primeiro e o único na época, onde vendia, trazido de Bauru, gêneros que só se encontravam em cidades maiores como açúcar, sal. querosene, carne seca. farinha, fósforo, velas etc.

As terras daqui pertenciam ao tempo da chegada dos trilhos a Augusto Elisio de Castro Fonseca, que assinou com sua esposa, Maria Marques de Castro Fonseca, as escrituras da venda das glebas. Seu procurador para a venda das terras inicialmente foi Manuel B. Cruz. Este residia em Penápolis e colaborava com todos, dando guarida aos que compravam as primeiras propriedades.

Havia três grandes fazendas que abrangiam as comarcas de Araçatuba. Guararapes, Valparaíso e Andradina instaladas após 1.920: Baguaçu, Jangada e Aguapeí. Esta última foi palco da tremendas lutas para que o patrimônio de Araçatuba chegasse a realidade.

A pequena povoação em si, em 1.909, foi se alastrando muito timidamente, centrada na precária estação ferroviária, com pouquíssimas famílias e habitada principalmente por operários da NOB, por representantes raros dos vendedores de terras, por donos dos primeiros estabelecimentos comerciais, por pessoas ligadas aos trabalhos de contatos com os índios, por medidores de terras, e por raríssimos índios que se aculturavam.

Em 02/12/1.910, a Câmara legislativa do Estado de São Paulo aprovou o projeto de lei n° 47. que criava o município de Penápolis, mas em 15/09/1.913 aprovou o parecer nº.38, que contestava o tamanho das terras aprovado para Penápolis; nesse parecer, lemos o seguinte: Considerando por outro lado que o evoluir progressivo e constante de toda a região cortada pela estrada de ferro Noroeste não tem tido soluções de continuidade..." E, em 01/12/1,913, a mesma Assembléia Legislativa de São Paulo aprovava um substitutivo ao projeto nº. 47, em que consta A lavoura de café tem tido incremento, desenvolvendo-se de um modo espantoso por toda a margem dessa estrada de ferro. Aquela cultura acha-se distribuída por muitíssimas fazendas, contando-se por milhões os pés de café que ali brotam do solo. como que por encanto.

Vê-se a incoerência: em setembro de 1.913, a região agricola que incluía Araçatuba "não tem tido solução de continuidade" e em dezembro do mesmo ano a cultura cafeeira se desenvolve de "modo espantoso" Esse desenvolvimento que se alternava ao sabor dos desejos políticos estava sendo construído com as vendas de terras em 1.909 e 1.910 e que fariam os milhões de pés de cafeeiros três anos depois.

Em 1.904, foi criada a comarca de São José do Rio Preto, la foram inscritas as primeiras divisões de terras desta região Em 1.910, com a criação da comarca de Bauru, foram feitas lá as divisões da fazenda Goaporanga, e da fazenda Aguapei poucos anos depois. A comarca de Araçatuba, criada em 1.922, recebeu então, todos os autos da divisão jurídica e a indicação das propriedades da fazenda Aguapei Mas foi só em 1.927 que tais divisões foram reconhecidas, após muitas lutas e mortes, como se verá.

O panorama que se pode traçar de Araçatuba nos anos imediatamente seguintes ao estabelecimento da estação da NOB é o de um patrimônio com aproximadamente 500 habitantes, em casas de madeira sobre datas formando a primeira rua do lugarejo, logo após a estação ferroviária, no que hoje é a rua dos Fundadores.

Poucos animais de tração deveria haver Surgiam as primeiras plantações de legumes, frutas e verduras nos fundos das casas, ailuminação era a vela e muito raramente com querosene; usavam roupas grossas, apesar do calor e das chuvas; havia trabalho e nenhum lazer para as pessoas que labutavam na ferrovia. Vicente Franco com seu armazém e Francisco Pecoraro com seu hotel recebiam os muito raros representantes dos proprietários de terras e dos vendedores de terras, como por exemplo, Jacob Floriano. Corriam como rastilho de pólvora as notícias das grilagens de terras, como assunto emocionante para as noites de escuridão e silêncio, só quebrado por barulho das matas, por gritos em meio ao fugaz amor dos solitários habitantes.

A derrubada da selva prosseguia, agora em outras direções que não só a dos trilhos. Ai é que se encontravam índios com o choque cultural resultando em estranheza, medo, poucas boas surpresas de amizades, e, contrariamente, mortes ou ferimentos: poucos brancos morreram, mas quantos índios?

As doenças infestavam o lugar Em Orentino Martins, encontramos o seguinte Além dos índios e das feras, os primeiros povoadores desta região defrontavam-se com inúmeras doenças, muitas das gravíssimas para a época. A malária era o flagelo; a leishmaniose cutânea, conhecida por 'úlcera de Bauru' ou ferida brava', de origem egípcia, também chamada botão do Oriente', fazia muitas vitimas. E havia a febre tifóide, a gastro-entérica, a hepatite, a 'doença de Chagas', o tétano etc. A apendicite, conhecida como 'nó nas tripas", era fatal. Para desatar o 'nó', davam aos doentes, por via oral, bagos de chumbo, o que apressava o desenlace. Abundavam também os pernilongos, transmissores da maleita, os 'borrachudos', e o barbeiro" (MARTINS, 1.988: 83).

Pode-se imaginar, nesse panorama mais sombria do que corriqueiro, o quanto de alegria deveria haver com a chegada da locomotiva, trazendo pessoas, trabalhadores, bens transportados e prenúncios de novas perspectivas.

As famílias que aqui se instalaram em 1.909 e 1.910, em pequeníssimo número, nunca eram de situação social melhor Estas, quando os maridos precisavam vir a Araçatuba, mantinham as esposas e filhas e filhos menores hospedados nas casas de melhor porte de Penápolis; por exemplo, dependendo do visitante, na residência do Coronel Bento da Cruz.

Em 1.910, os agrimensores Cristiano Olsen e Adolpho Hecht fizeram a demarcação de traçado que determinaria as ruas da Vila de Penápolis; entre as dezoito ou dezenove ruas previstas, constava a rua Araçatuba. É o reconhecimento histórico do patrimônio vizinho que começara a nascer, com a estação da NOB, em fins de 1.908 Essa Rua Araçatuba, hoje, é a rua central de Penápolis chamada Siqueira Campos.

Na época, eram travadas muitas e renhidas batalhas jurídicas pela posse das enormes fazendas, como a Aguapei, retalhadas pelos interessados através da grilagens, usucapião, invasões e outros meios ilícitos tornados "lícitos" por meio de politicagens, compra de autoridades, trocas de favores entre grandes famílias, ou casamento de interesse. Houve muitos acontecimentos criminosos, às vezes seguidos de mortes, entre os que se julgavam proprietários de glebas e que recebiam a visita de oficiais de justiça com documentos desdizendo a propriedade que tinham como pacifica. Muitas vezes a justiça fez-se acompanhar de força policial em diligências para fazer cumprir os mandatos. Fora da letra fria dos documentos de cartório que consultamos, vêm-nos à lembrança as belas páginas do romance Terra no Sangue, de autoria de Maurício do Valle Aguiar (membro da Academia Araçatubense de Letras); ali estão algumas narrativas literárias de lutas pela terra, semelhantes às que se deram aqui, na região araçatubense, só que, infelizmente, estas foram verdadeiras.

Como indicamos antes, três nomes despontam nesse começo histórico de Araçatuba: Vicente Franco Ribeiro, Manuel Bento da Cruz e Augusto Elísio de Castro Fonseca.

Vicente Franco Ribeiro nasceu em 1.863 e faleceu em 1.948. Era filho de tradicional família de pecuaristas de Montes Claros, no Estado de Minas Gerais. De seuneto, Dr. Roberto Franco Atense recebemos uma série de informações biográficas deseu famoso avô.

Vicente teve uma desilusão amorosa em Minas, vendeu suas propriedades emMontes Claros e veio para nossa região. Chefiou uma turma da NOB no assentamentode trilhos bem no trecho que chegava a futura estação de Araçatuba.

Abrindo matas, os ferroviários deixaram açúcar, rumo e outras mercadorias para abrandar os índios Caingangues. O próprio comboio que ia acompanhando os trilhos, formado por gôndolas, levava armamentos, ferramentas, alimentação e barracas para serem montadas nas clareiras de mato que iam abrindo, durante a permanência no trecho a ser desbravado.



Depois de estabelecido o vagão fixo que passou a ser a estação, Vicente construiu o armazém já referido. Também trabalhou como vendedor de terras que se desmembravam das grandes fazendas da propriedade de Eliseo Fonseca; Vicente Franco funcionou como representante do grande proprietário e certamente esteve dentro dos acontecimentos terríveis que esboçamos sobre as lutas jurídicas pela posse da terra.

(BODSTEIN, Odete Costa; PINHEIRO, Célio."Histórias de Araçatuba", 1997; p53-58)

terça-feira, 3 de junho de 2014

Araçatuba e sua Fundação (Parte I)

Desde há décadas é cultivado o conceito de "fundador" de Araçatuba Fundador de uma cidade é a pessoa que tem, ou por premeditação, ou por circunstâncias fortuitas, a decisão de ir a um determinado lugar e ali criar um lugarejo que se expandirá depois, em uma cidade. É o que se chama em latim de "animus faciendi". isto é, vontade de fazer a cidade.


Isto não ocorreu em Araçatuba; aliás, com nenhuma cidade da região, à exceção de Ilha Solteira, fundada pela CESP - Centrais Elétricas de São Paulo para pouso e existência dos trabalhadores no complexo hidroelétrico de Jupiá-Paraná. Por aqui, os núcleos habitacionais nasciam em função do avanço da NOB, a estrada de ferro de Bauru a Itapura e, invertidamente, do Mato Grosso a Itapura.

Assim ocorreu em Araçatuba, nascida com um vagão-residência que ficou estacionado em uma pequena variante da Iinha-tronco. Em depoimento de um funcionário da N.O.B., Antenor Vasconcelos Barros, dirigido ao historiador Orentino Martins e assinado por Antenor, lemos o seguinte: No mesmo ano de 1.908 chegou à Estação da Noroeste um vagão que ficou estacionado e do lado do mesmo foi construído um quiosque, por um italiano chamado Fontana. E logo em seguida, o Dr. Joaquim Machado de Mello, empreiteiro da construção da Noroeste, mandou que se edificasse um pequeno hotel que ficou denominado "Hotel Noroeste", sendo arrendado ao Dr. Francisco Pecoraro e sua esposa D. Francisca.

Com estas atividades habitacionais do que seria a nossa cidade, já nos encontramos historicamente em 1.909 com o pequeníssimo núcleo de pessoas residentes no futuro patrimônio de Araçatuba.

Iniciadores deve ser o nome histórico dessas pessoas citadas por Antenor Vasconcelos Barros que estavam no lugar e no momento histórico e aconteceram de realizar o começo de Araçatuba; é evidente que fizeram-no sem terem planejado para tanto.

O depoimento de Antenor Barros, com sua assinatura, foi cedido por Orentino Martins para a coleção de documentos históricos que Odette Costa Bodstein (co-autora deste livro) colecionou durante toda sua vida e cujo acervo constitui o elemento material do substrato desta obra. É o depoimento de pessoa que estava presente a alguns acontecimentos do início histórico de Araçatuba. Dele nos valeremos muito neste capitulo.

No Livro de Orentino Martins (MARTINS, 1.988: 161), há uma fotografia de Penápolis de 1 915: no primeiro plano, há uma boa extensão de capim plantado, no meio da foto, há uma faixa de casas de alvenaria, onde se contam aproximadamente 46 residências, pelas dificuldades de se enumerar devido á distância das imagens e ao aglomerado das residências; ao fundo da foto, há outra faixa pequeníssima de plantações, provavelmente capim, mato cerrado e algumas árvores; da metade da foto até seu limite superior, é o céu com algumas nuvens.

No depoimento de Antenor Barros, lemos "...em 1.908, quando entrei neste sertão da Noroeste, de Bauru para cá só havia a povoação de Jacutinga, Presidente Alves com meia dúzia de casas. se tanto e Penápolis com umas 30 casas, tendo como principal figura dessa localidade o Cel. Manoel Bento da Cruz".

Comparando a foto de 1.915 de Penápolis com a afirmação de Barros sobre 1.908, temos que em Penápolis havia umas 30 casas em 1.908 a um limite de 60 em 1.915 Calculando os residentes penapolenses nessas duas datas por uma estimativa de um máximo de 10 pessoas por residência, teremos, em 1.908, um máximo de 300 habitantes; e, em 1.915, o dobro disso: 600 habitantes.

Por comparação e lembrando que Penápolis, nos primórdios desta região, sempre foi a cidade mais avançada em tudo, inclusive em população: era o centro da região (só a partir de meados de 1.930, Araçatuba inicia sua posição histórica de líder municipalista regional), podemos fazer uma idéia da população araçatubense em 1.909 e 1.910. Deveríamos ter nesses dois anos 150 habitantes.

O assentamento de pessoas e reduzidas famílias por aqui, nesse tempo, tinha a ver grandemente com as atividades de duas personalidades que não habitavam Araçatuba então. Um deles era o grande proprietário de terras Dr. Augusto Elisio de Castro Fonseca; o outro era o coronel Manuel Bento da Cruz. Além destes, o terceiro grande nome que alavancou o crescimento habitacional de Araçatuba em seus inícios foi o de Vicente Franco Ribeiro, que já vivia em Araçatuba nesses anos.

Para se entender o valor desses três iniciadores de nossa cidade, é importante atentar para alguns conceitos e para uma visão genérica de Araçatuba naquele tempo.


Um conceito que durou muito tempo e que teve grande importância é o de data e o outro é de patrimônio. Data era o nome de terreno, pequena extensão de terra em que é dividido o lugar para que cada pessoa possa ter sua propriedade legal e onde são construídas suas casas e lojas. Patrimônio era uma pequena povoação no interior do Brasil, era o que hoje se chama de lugarejo, vila, isto é, o nome do lugar antes de ele conseguir ser cidade, município.

(BODSTEIN, Odete Costa; PINHEIRO, Célio."Histórias de Araçatuba", 1997; p50-53)

segunda-feira, 26 de maio de 2014

O frigorífico e Sebastião Maia.
Vista panorâmica do frigorífico TMaia. (Atual prédio da UNIP)


Sebastião Ferreira Maia (Tião) nasceu em Passos, MG em 01/01/1. 916. Seus pais foram Maria Ferreira Maia e Braulino (Lico) Maia. Até os dezesseis anos de idade, ele morou e trabalhou no sítio paterno de 200 alqueires, que ficava nesse município; aprendeu nesse tempo toda a lida do gado. Algum tempo depois, decidiu deixar a casa paterna e, contra a vontade do pai, foi para Barretos, SP, em 1.937 ou 1.938.
Depois de seis anos em Barretos, com 32 anos de idade, comprou um pedaço de terra em Araçatuba, no Córrego Azul, trazendo 32 peões pagos por dia. Ele e os peões foram atacados pela maleita.

Era o tempo da segunda guerra mundial e havia racionamento de petróleo. Maia vendia madeira para a NOB (Estrada de Ferro Noroeste do Brasil) e plantava capim no lugar da madeira cortada; trabalhou nisto por oito anos.

Com trinta anos de idade, associou-se a Antenor Duarte Villela. Chegaram a ter duas fazendas de gado com 10.000 cabeças e muitos empregados.
Quando já possuía uma plantação razoável (era o fim da década de quarenta), iniciou os trabalhos para construir o frigorifico que seria o TMaia. Ele conta que fez uma reunião com pecuaristas de Araçatuba, falou do futuro frigorífico e abriu uma subscrição de capital: riram e saíram da sala.



O frigorífico acabou saindo só em 1.952 com a sociedade entre Maia, Villela e Quintiliano, como vimos; e começou sua produção em 1.957.


O TMaia tomou vulto e deixou os pecuaristas araçatubenses admirados; ao mesmo tempo, ou em consequência, esses pecuaristas compreenderam as vantagens econômicas do empreendimento industrial e passaram a fornecer a matéria prima indispensável: os bois. 


Sebastião Maia tornou-se riquíssimo e passou a ter transito livre em todo o setor de produção e venda de carne no Brasil e no exterior. Fez amizade empresarial com pessoas importantes da nação, com Juscelino Kubitschek de oliveira, João Goulart e Tancredo Neves.

(BODSTEIN, Odete Costa; PINHEIRO, Célio."Histórias de Araçatuba", 1997, p349-351)

sexta-feira, 30 de agosto de 2013


UESA de 1966 e Laudo Natel
( União dos Estudantes Secundários de Araçatuba )

Na foto, da esquerda para a direita, o Dr. Floriano Camargo de Arruda Brasil, Jeremias Alves Pereira Filho, então presidente da UESA, e o Governador Laudo Natel, entre outros. Foto do meu acervo pessoal, que autorizo utilizar na página de Fotos Históricas de Araçatuba.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Nossa História

     Segundo Grupo escolar de Araçatuba... hoje Escola Estadual José Cândio 


...em 25 de maio de 1935 a atual escola José Cândido comaça a funcionar em um sobrado do comerciante Abrão Cury, na praça Nove de Julho. Na década de 1940 é construído o prédio que abriga a escola até hoje. 
Fonte: Coleção Araçatuba Folha da Região  100 Anos